arte

Pesquisar este blog

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

O Mel e as Abelhas

Não é de hoje que o Homem descobriu todo o poder do mel. Através dos tempos, o mel sempre foi considerado um produto especial, utilizado pelo Homem desde os tempos mais remotos. Evidências da sua utilização pelo ser humano aparecem desde a Pré-história, com inúmeras referências em pinturas e manuscritos do antigo Egipto, Grécia e Roma.
Existem registos sobre a utilização do mel como alimento pelos Sumérios na Mesopotâmia (2.300 anos antes de Cristo). No Antigo Egipto explicava-se a origem do mel como sendo fruto das lágrimas vertidas por Rá, deus do Sol. Zeus, pai e rei dos deuses da mitologia grega, alimentava-se do mel que as abelhas colocavam sobre os seus lábios. Na antiga China, este néctar cor de ouro e símbolo da Terra, era dado ao imperador afim de que este encontrasse força, vigor e clarividência.
  

O mel, como alimento sagrado, aparece tanto nas páginas da Bíblia como nas do Corão, onde é citado como o alimento do paraíso. Para os antigos, sonhar com enxames era sinónimo de prosperidade. A chamada “Lua-de-mel”  teve a sua origem no costume romano em que a mãe da noiva deixava em cada noite, na alcova nupcial, à disposição dos recém casados, um pote de mel para “repor energias”. Esta prática durava toda a lua. Ainda hoje, em muitos países, encontramos a expressão “Lua-de-mel”.

As abelhas convertem o néctar das flores em mel
, o qual armazenam nas suas colmeias. O néctar é uma solução aquosa, composta de açúcar, proteínas, ácidos e sais minerais. O processo de formação do mel começa quando a abelha suga o néctar de uma flor e o deposita no papo, uma espécie de bolsa que ela tem no corpo. Aí, e por intermédio de enzimas, o açúcar do néctar é decomposto em dois açúcares mais simples, a frutose e a glicose. Quando retorna à colmeia, a abelha deposita o néctar nos favos, onde o mesmo se irá transformar em mel. Durante esse processo, o néctar perde grande parte da água que contém, transformando-se numa substância muito doce, o mel, composto em média por 80% de hidratos de carbono, 15% de água, e 5% de substâncias diversas (ácidos, sais minerais, vitaminas, etc.).
Contudo, a composição do mel varia, dependendo da flora que lhe deu origem, das condições climáticas, da natureza do solo e do estado fisiológico das colónias, entre muitos outros factores.

Nenhum comentário: